Bem-vindo à Agência de Desenvolvimento de Juiz de Fora e Região!

Horário de Funcionamento de 13:00 às 19:00

Av. Getúlio Vargas, 455 / 4° andar Centro , Juiz de Fora, MG

(32) 3215.7100(32) 3217.9846

11Jan

Setor de energia perde 18% em valor de mercado em 4 meses, diz estudo


por: www.g1.globo.com

O valor de mercado de 34 empresas de capital aberto brasileiras do setor de energia elétrica teve queda de 18,03% (R$ 37,23 bilhões) do dia 6 de setembro de 2012, quando o governo anunciou a redução das tarifas de energia em 2013, até o dia 10 de janeiro. O valor passou de R$ 206,40 bilhões para R$ 169,17 bilhões. O levantamento é da consultoria Economatica e foi divulgado nesta sexta-feira (11).

A empresa com a maior queda nominal de valor de mercado nesse período é a Cemig. Em setembro, o valor de mercado da companhia era de R$ 28,42 bilhões e, em 10 de janeiro, de R$ 18,56 bilhões - recuo de 34,67%.

De acordo com a Economatica, a empresa com a maior queda percentual no mesmo período é a Eletrobras. O valor de mercado da empresa foi de R$ 19,22 bilhões para R$ 9,90 bilhões em janeiro, queda de 48,46%.

Das 34 empresas analisadas, 10 delas têm valor de mercado inferior ao seu patrimônio liquido. "A Eletrobras é a empresa que tem a menor relação, o valor de mercado da empresa em 10 de janeiro de 2012 é de R$ 9,90 bilhões contra patrimônio liquido de R$ 79,58 bilhões", disse a Economatica, em nota.

Plano
A presidente Dilma Rousseff afirmou em 6 de setembro que, a partir do início de 2013, a conta de energia elétrica teria redução média de 16,2% para o consumidor doméstico e de até 28% para a indústria.

O anúncio foi feito em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão dedicado ao Dia da Independência, celebrado nesta quinta, 7 de setembro.

Atualmente, os reservatórios de hidrelétricas têm registrado baixos níveis, o que poderia comprometer a distribuição de energia e afetar o plano de redução. No entanto, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta quarta-feira (9) que não há risco de um novo racionamento e que o país tem um "estoque firme" de energia (quanta energia pode ser gerada com os recursos atuais) para sustentar o consumo nos próximos meses.

O ministro garantiu ainda que o corte de 20,2% nas contas de luz, que entra em vigor em 4 de fevereiro, está garantido, e que não há risco de desabastecimento da indústria por conta do uso do gás na geração de energia pelas usinas térmicas.

"Essa redução acontecerá, a partir do próximo mês, como está prevista", afirmou.


Últimas Notícias



Galeria de Fotos